Em busca de alimento, lobo-marinho-subantártico é visto no litoral do Paraná

Animal está na areia de Pontal do Paraná e é monitorado por dois técnicos Laboratório de Ecologia e Conservação da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Um lobo-marinho-subantártico foi encontrado no litoral do Paraná na noite terça-feira (18). Nesta quarta-feira (19), ele estava em Pontal do Sul, despertando a curiosidade de quem passava pela orla. O animal é macho e está bem. Ele é monitorado pelo Laboratório de Ecologia e Conservação da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

“Ele utiliza as correntes oceânicas, polares inclusive, para se deslocar. Exatamente por conta do frio, e essa chegada mais intensa das correntes das Malvinas, que vem da região mais do Sul, eles acompanham essa corrente em busca de alimentos, e acabam chegando à costa Sul do Brasil”, explicou a bióloga Camila Domit.

Esse animal, segundo a bióloga, se reproduz em ilhas mais próximas à região antártica, em ilhas próximas da região da Nova Zelândia.

A aparição de lobo-marinho na orla paranaense durante o inverno não é raridade, todavia, esta espécie nos visita com menos frequência.

Em geral, por ano, o Laboratório de Ecologia e Conservação espera entre cinco a 10 aparições de lobo-marinho no litoral do Paraná. Em 2016, o lobo-marinho-subantártico foi visto em três oportunidades.

Esse lobo-marinho pode ter se deslocado até 16 mil quilômetros neste processo de migração. De acordo com Camila Domit, ele vai para a areia justamente para descansar. A tendência é que o mamífero seja visto em outras praias do estado, porque ele entra na água para se alimentar e, depois, volta para a orla para se recuperar.

O animal não foi levado para um cativeiro ou qualquer centro de reabilitação. Este cuidado é necessário para que ele não pegue doença e a leve para área de origem. “Nosso procedimento para esta espécie, via convenção internacional, é fazer o atendimento na praia e tentar mobilizar o mínimo possível este animal”, disse a bióloga.

Durante todo o dia, técnicos acompanham o lobo-marinho para evitar que ele seja atacado por animais ou pessoas. Os profissionais ainda realizam um trabalho de conscientização com os população.

O Laboratório de Ecologia e Conservação da Universidade Federal do Paraná (UFPR) pede para as pessoas que avistarem lobo-marinho ou pinguins, que também são frequentes no Paraná nesta época do ano, entrem em contato pelo 0800-642-3341.

Fonte:g1