Governo busca nesta semana votos de indecisos contra denúncia, diz Mansur

Votação em plenário está marcada para a semana que vem. Vice-líder do governo e um dos responsáveis por contabilizar votos, Mansur estima cerca de 80 deputados indecisos.

A menos de dez dias da data prevista para a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer em plenário, o vice-líder do governo da Câmara Beto Mansur (PRB-SP) afirmou nesta segunda-feira (24) que o presidente e seus aliados passarão a semana em conversas com deputados indecisos.

Mansur é conhecido entre os parlamentares por ser o responsável pelo trabalho de contagem de votos e previsão dos resultados das votações de projetos de interesse do governo.

Para a votação da denúncia da Procuradoria Geral da República, que precisa de autorização da Câmara, ele tem feito o mesmo. A última estimativa de Mansur indica 261 votos para barrar a denúncia, 171 a favor da continuidade e 80 indecisos.

“Tem muita gente ainda indecisa e é com esses indecisos que a gente precisa conversar. Não é absolutamente nada de troca de cargos, nada disso. Eu acho que a gente precisa conversar para mostrar a defesa, para convencer esses parlamentares da necessidade de manter o presidente trabalhando”, afirmou o parlamentar.

Temer foi denunciado por corrupção passiva com base na delação premiada dos executivos da J&F, que controla o frigorífico JBS. Para que o Supremo Tribunal Federal (STF) possa decidir se instaura ou arquiva o processo, o plenário da Câmara precisa autorizar a denúncia com ao menos 342 votos.

“Eu gostaria de reduzir os 80 [indecisos], mas eu acho que pode ser que a gente feche em torno de 300 parlamentares dos 513 formulando seu voto contra a denúncia do presidente Michel Temer no plenário”, disse Mansur.

O deputado ainda afirmou que não há irregularidade na liberação de emendas parlamentares pelo governo, já que elas são de execução obrigatória e também são pagas para deputados da oposição.

“Não existe absolutamente nada de irregular nessa liberação e o governo vai continuar liberando à medida que haja uma sobra de caixa”, disse.

Fonte: G1