Anvisa diz que recebeu novas ameaças e pede proteção policial

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou, neste domingo (19), que enviou ofícios a diversos órgãos pedindo proteção policial aos membros da agência após perceber um número crescente de ameaças de violência feitas contra diretores e servidores da entidade, que se intensificaram nas últimas 24 horas.

O caso ocorre em meio à polêmica aprovação da vacinação de crianças de 5 a 11 anos com imunizantes da Pfizer contra a Covid-19, concedida pela agência na última quinta-feira (16). A decisão foi alvo de questionamento inclusive do presidente Jair Bolsonaro, que afirmou neste domingo (19) que a aprovação da imunização foi “inacreditável”.

De acordo com a Anvisa, foram notificados das ameaças os ministros do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, e da Justiça, Anderson Torres; o procurador-geral da República, Augusto Aras; o diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Maiurino; e o superintendente regional da PF no Distrito Federal, Victor dos Santos.

Em uma nota divulgada nesta tarde, a agência afirmou que possui “grande preocupação em relação à segurança do seu corpo funcional, tendo em vista o grande número de servidores da Anvisa espalhados por todo o Brasil” e que “não é possível afastar neste momento que tais servidores sejam alvo de ações covardes e criminosas”.

A entidade ressaltou que não divulgará em detalhes as ameaças recebidas, para não expor os dados pessoais dos envolvidos, mas destacou que todas as informações já foram encaminhadas para as autoridades responsáveis.

 

Últimas Notícias

Mais lidas