Por: Redação | 11/06/2021

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou nesta quinta-feira (10), durante evento com o Ministério do Turismo, que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, vai emitir parecer para desobrigar o uso de máscara por aqueles que foram vacinados ou já contaminados pela covid-19. A medida contraria protocolos médicos, que recomendam a proteção contra o risco de reinfecção e escape das vacinas que estes grupos ainda correm.

A fala veio depois do presidente lembrar de matérias jornalísticas que apontam de forma recorrente quando ele não usa máscara em visitas a municípios brasileiros. “Ele [Queiroga] vai ultimar parecer visando a desobrigar o uso de máscara por parte daqueles que estejam vacinados ou que já foram contaminados para tirar essa (…) esse símbolo, que obviamente tem a sua utilidade para quem está infectado”, disse.

“Se bem que pra nós, o nosso protocolo, para quem está infectado, esse sim ele fica em casa, não aquele ‘fica em casa todo mundo’. A quarentena é pra quem está infectado, não é para todo mundo porque isso destrói empregos. Mata de outra forma o cidadão”, completou.

A recomendação de especialistas, porém, é de manter o uso da máscara tanto para os já recuperados da covid como para aqueles que foram totalmente imunizados com as vacinas. Entre os motivos, está o fato de que variantes do novo coronavírus têm maior potencial de escapar de anticorpos naturais ou produzidos em resposta a vacinas.

Além disso, nenhuma vacina tem 100% de eficácia contra a covid, o que possibilita que até os imunizados adoeçam e transmitam a doença a familiares e amigos.

Pouco depois do anúncio, Queiroga afirmou que, na verdade, o ministério ainda estuda a medida, a pedido do presidente, que está “muito satisfeito” com o ritmo de vacinação no Brasil. “O presidente acompanha o cenário internacional e vê que em outros países onde a campanha de vacinação já avançou, as pessoas já estão flexibilizando o uso das máscaras”, afirmou o ministro.

O uso de máscaras foi flexibilizado principalmente em países que têm altos indíces da população vacinada, o que não é o caso do Brasil. Nos EUA, que já desobrigou imunizados a usarem a proteção, 42% já receberam as duas doses. No Brasil a taxa é de 11,18%.