Dez hospitais de campanha serão construídos em SC conforme demanda, por licitação

hospitais

O governador Carlos Moisés (PSL) anunciou cancelamento da dispensa de edital para construção do hospital de campanha em Itajaí. Agora, o governo iniciará um processo licitatório para 10 hospitais de campanha com 100 leitos cada. O motivo, segundo o governador, seria de que o processo anterior gerou muitas suspensões e decisões judiciais.

“Queremos fazer esse processo com segurança jurídica, por meio de um pregão. Entendemos que agora nós temos algum tempo para fazer essa aquisição com calma. A adesão da população catarinense ao isolamento social nos deu mais tempo. Com isso, temos a possibilidade de fazer uma licitação, embora não houvesse essa necessidade por conta do decreto da calamidade pública”, pontuou.

Os novos hospitais devem ser construídos conforme a demanda de pacientes, com modelo semelhante ao primeiro, de Itajaí. O hospital em questão sofreu suspensões, cuja última foi na quarta-feira (15) quando o TJSC (Tribunal de Justiça de Santa Catarina) acatou pedido da segunda empresa colocada.

Além disso, foram feitos comparativos com o modelo de hospital do Goveno Federal, que custaria R$ 10 milhões. Segundo Moisés, é uma comparação descabida, uma vez que este orçamento seria destinado somente a instalação física.

Questionado sobre os valores específicos de cada hospital, tal como o motivo de escolher esse tipo de estrutura, e se entidades do judiciário participaram do processo, o governo estadual afirmou que “todas as informações disponíveis no momento foram repassadas na coletiva do governador Carlos Moisés”.

O processo licitatório inicial, para o hospital de Itajaí, reuniu quatro empresas interessadas e era da ordem de R$ 76 milhões. Seriam 100 leitos de UTI e a maior parte do valor seria destinado a contratação de médicos, serviços e insumos. Estima-se que somente a instalação do mesmo ficaria na ordem dos R$ 600 mil.

Também foi anunciado chamamento público para aluguel de leitos de UTI na rede privada, visando a meta de 100 leitos. Cada leito deve girar em torno de R$ 3 mil reais diários, segundo estimativa do secretário de estado da saúde, Helton Zeferino.

Durante toda a pandemia, o governo estadual somou 281 novos leitos a estrutura de saúde do estado, mas ainda objetiva 713 novos leitos. Isso resultaria em 2,5 mil leitos, caso a todos os hospitais de campanha forem construídos.