Por: Ricardo Gebeluca | 06/02/2019

Um homem acusado de ter arquitetado emboscada que resultou no assassinato da ex-namorada, em crime ocorrido em 2015, foi condenado nesta semana em sessão do Tribunal do Júri da comarca de Joinville. A pena restou fixada em 21 anos e oito meses de reclusão em regime fechado, por homicídio triplamente qualificado – motivo fútil, emboscada e asfixia. A sessão do júri foi presidida pelo juiz Gustavo Aracheski e marcou o reinício da pauta de júris populares em 2019.

Segundo a denúncia do Ministério Público, o réu não aceitava o término do namoro e, na companhia de dois outros homens, armou uma emboscada como vingança. Atraída para determinado local, vítima foi golpeada com facadas no pescoço e depois atirada em uma vala na zona rural de Joinville. Como ainda agonizava, acabou enforcada pelo grupo.

Já na época do crime, o acusado admitiu a autoria do crime perante policiais militares. Desde 2015, o homem está preso no Presídio Regional e, com esta sentença, continuará a cumprir sua pena, mas agora na Penitenciária Industrial da cidade. Um dos comparsas que ajudou o réu neste episódio já foi julgado no ano passado e condenado a 14 anos de reclusão em regime fechado. Já o terceiro participante não foi denunciado pelo Ministério Público.