Por: Ricardo Gebeluca | 02/05/2019

A ação que culminou com a apreensão de 5,3 toneladas pela Polícia Civil na última terça-feira (30) foi possível após mais de seis meses de investigação da DRE (Divisão de Repressão a Entorpecentes) da DEIC (Diretoria Estadual de Investigações Criminais). O trabalho dos policiais identificou o transporte da droga a partir da cidade Ponta Porã (MS) num caminhão bitrem em meio a um carregamento de milho.

O veículo foi monitorado com o apoio do Setor de Inteligência da PRF (Polícia Rodoviária Federal) e também da equipe da DIC de Chapecó (Divisão de Investigação Criminal) até ser abordado no posto da PRF em Rancho Queimado, na BR 282. Foram presos os motoristas do caminhão e de um veículo batedor, que acompanhava o transporte da carga.

“Este é o resultado de um trabalho que iniciou há mais de seis meses e agora, com a parceria efetiva da PRF, culminou na retirada das ruas dessa quantidade de droga”, disse o Delegado Geral, Paulo Koerich, durante a coletiva do último dia 1º na sede da DEIC, destacando a integração de forças contra o crime organizado.

Responsável pela investigação, o Delegado da DRE, Cláudio Monteiro, salientou que o inquérito continua. “Continuamos trabalhando para a identificação do comprador e dos responsáveis pela recepção e distribuição da droga. A apreensão é apenas a ponta do iceberg e a investigação se encerra com a prisão deles”, afirmou Monteiro.

O Chefe da 1ª Delegacia da PRF em São José, André Saul do Nascimento, ressaltou a parceria entre os órgãos de segurança pública no combate às organizações criminosas. “Os nossos agentes sempre prestam apoio para a Polícia Civil como foi o caso dessa operação em Rancho Queimado.”

Para o diretor da DEIC, Luís Felipe Fuentes, o trabalho de investigação da Polícia Civil é permanente e incansável para combater o crime organizado. “Assim como na apreensão desta carga de maconha, as ações contra o roubo e furto de cargas, de fraudes contra o patrimônio público ou crimes cibernéticos são permanentes”, disse.