Por: Ricardo Gebeluca | 16/10/2020

O Juiz do cartório eleitoral de Pomerode, Bernardo Augusto, fixou o prazo de 72 horas para o candidato a vereador da cidade catarinense, Professor Wander, explicar sua situação partidária no PL (Partido Liberal).

Uma intimação judicial foi enviada ao candidato, depois da identificação de um registro de desfiliação partidária feito “a pedido do eleitor”, em 8 de outubro contra Wander. Ainda segundo a intimação, na consulta aos registros oficiais do sistema, não há registro da desfiliação.

A polêmica em torno da candidatura de Wander começou por que ele tem uma suástica na piscina de casa, como revelou a Polícia Civil em 2014. Wandercy Antônio Pugliesi, conhecido como Professor Wander, ficou conhecido em 2014, após a piscina que mantém em sua casa com a estampa de uma cruz suástica nazista ser fotografada pela Polícia durante o acompanhamento de um sequestro.

Na intimação, o juiz pede que o candidato explique qual era sua filiação partidária até 4 de abril de 2020, prazo que corresponde ao seis meses de filiação partidária que os candidatos devem atender para disputar os cargos eletivos.

O Diretório Estadual do Partido Liberal em Santa Catarina alega que desconhecia a filiação do candidato a vereador, conduzida pela direção municipal.

Além disso, por não compactuar ideologicamente com o filiado, o PL encaminhou seu desligamento.

O partido também quis reforçar sua firme posição contra todo tipo de apologia à discriminação racial, religiosa e social. Em função dos prazos da Justiça Eleitoral, Wander não poderá se filiar a outro partido para concorrer ao cargo de vereador nesta eleição. Sem a filiação, o mais provável é que fique de fora da disputa em 2020.