Por: Ricardo Gebeluca | 22/11/2021

No próximo dia 25 de Novembro é o Dia Internacional da Não-Violência contra a Mulher e para lembrar a data, uma programação especial será realizada em Itapema. Entre as atividades estão rodas de conversa com mulheres, orientações aos alunos da Rede Municipal de Ensino e encontros.

A programação é uma realização do Conselho Municipal da Mulher, Secretaria de Assistência e de Lazer, Secretaria de Saúde, Secretaria de Educação, Secretaria de Turismo, Cultura, Esporte e Desenvolvimento Econômico, Instituição Madre Teresa, Centro de Atendimento às Vítimas de Violência Doméstica.

 

Porto Belo lança programação para “Abertura de Verão”

 

Confira a programação:

23/11- 19h – Participação da Presidente do Conselho da Mulher e Diretora do CAVV) na Sessão da Câmara de Vereadores

24/11- 14h  Roda de Conversa no CALAS (público específico). Organização: CREAS e CRAS II

25/11- 13h30  Encontro de mulheres na Instituição Casa Madre Teresa de Calcutá

Organização: Casa Madre Teresa com participação do Cras I

25/11- 10h e 15h  Roda de Conversa na escola Bento Elói Garcia com as Psicólogas Jaiana e Liandra  alunos dos 9º anos

Organização: Escola Municipal Bento Elói Garcia

30/11- 14h  Encontro de Mulheres no Espaço Cultural (Apresentações culturais, depoimentos e confraternização)

Saiba mais sobre a data

O Dia Internacional da Não-Violência Contra a Mulher, celebrado em  25 de novembro, foi designado oficialmente em 1999 pela Organização das Nações Unidas (ONU). A data foi escolhida para homenagear as irmãs Pátria, Maria Teresa e Minerva Maribal que foram torturadas e assassinadas nesta mesma data, em 1960, a mando do ditador da República Dominicana, Rafael Trujillo. As irmãs dominicanas eram conhecidas por “Las Mariposas” e lutavam por soluções para problemas sociais. (Fonte: Agência Senado). Segundo dados do Observatório da violência Contra Mulher de Santa Catarina, entre Janeiro e Outubro de 2021 foram concedidas 17.432 Medidas protetivas pelo Tribunal de Justiça de SC  e 38 mulheres foram vítimas de feminicídio em SC.

“É preciso que estejamos engajados pelo fim da violência contra a mulher, sendo assim, conclamamos toda sociedade para que se unam a rede de proteção e atendimento, apoiando  as vítimas de violência e lutando pelo fim de qualquer forma de violência contra mulher seja ela, física, psicológica, sexual, patrimonial ou moral, Toda rede de atendimento , poderes  Executivo, Legislativo, Judiciário e sociedade civil organizada devem andar juntos pelo fim da violência contra mulheres”, destacou a Diretora do CAVV e Presidente do Conselho da Mulher, Rosimeri Henschel Silva.