Por: Ricardo Gebeluca | 27/09/2018

O rápido aumento demográfico das cidades de forma desordenada, não teve, pelo Poder Público, ações que contivessem os efeitos socialmente negativos desse crescimento. Dentre os problemas causados está o significativo avanço dos índices de delinquência nas comunidades em que o planejamento urbano não esteve presente, elevando em níveis exagerados as estatísticas de crimes e da violência.

Devido às rápidas transformações que a humanidade vem presenciando, principalmente a evolução dos problemas sociais, as políticas públicas não efetivas em diversas áreas, contribuem para o descontrole da violência, os órgãos responsáveis pela segurança pública do país, buscam de maneira desenfreada formas para amenizar tal situação, porém sem sucesso efetivo.

Lamentavelmente o caos que se instala na administração pública, particularmente no nível Estatal, contribui para a falta de definição de metas objetivas e para a diferenciação dos setores ligados à promoção social.

Somente a legislação existente não está surtindo efeitos no sentido de diminuir os níveis de violência, por isso há necessidade de se buscar alternativas e estudos que possam auxiliar o gestor público na área da segurança pública, a fim de buscar cumprir os dispositivos constitucionais e poder propiciar às comunidades um estado de bem estar e uma melhor qualidade de vida.

É necessário reprimir a ação criminosa, mas também influenciar na realização de políticas de inclusão social, mormente, nas áreas urbanas de maior carência e desestruturação social, onde são mais frequentes as atividades e o aprendizado dos jovens à cultura da violência e criminalidade.

A literatura é pródiga quanto aos estudos acerca da Polícia Comunitária como alternativa emergente para o aumento da sensação de segurança, tanto no cenário internacional como nacional. Dessa forma, é de extrema importância a participação popular junto às polícias para em conjunto buscar caminhos para diminuir os índices de violência nas comunidades.

Policiais Militares preocupados com o grave problema da violência, cada vez mais participam de associações (Associação de Moradores, Conseg’s, Conselho da Comunidade, entre outros), com isso contam com a confiança dos moradores e efetivamente colaboram para a redução da criminalidade, já que a grande maioria do efetivo policial é morador da cidade onde trabalha.

Uma das fórmulas mais eficientes de proteger a população é contando com a participação e confiança do cidadão. O policiamento eficiente é aquele realizado por policiais nos quais os cidadãos delegam confiança.

Pelo conhecimento que possuem das características de seus espaços, a sociedade local pode e deve participar do planejamento da segurança da comunidade, contando com apoio do Poder Público que deve assegurar essa participação popular.

POLÍCIA MILITAR. Segurança: por pessoas do bem, para o bem das pessoas

Por Capitão Rodrigues