Por: redação | 1 mês atrás

Com o objetivo de tornar a gestão municipal mais moderna e eficiente, otimizar o trabalho público e valorizar o servidor de carreira, o projeto da reforma administrativa foi entregue nesta quinta-feira (15), na Câmara de Vereadores. A proposta prevê uma economia imediata aos cofres municipais de cerca de R$ 10,4 milhões/ano. Neste primeiro momento, as alterações não incluem o Hospital Municipal Ruth Cardoso. Atualmente o município conta com 306 cargos comissionados de livre nomeação. Com a proposta, o número cairá para 168 de livre nomeação e 71 terão que ser ocupados, obrigatoriamente por servidores de carreira.

No modelo vigente, somadas as secretarias, fundações, autarquias e sociedade de economia mista, a estrutura administrativa chega a 21 pastas. No modelo proposto pelo Executivo, esse número reduz para 15 pastas. Com isso, foi possível enxugar cargos que se repetiam em algumas estruturas. Essas modificações geram R$ 6,1 milhões ao ano.

Entre outras novidades, está a criação do Comitê de Governança Pública, com a finalidade de assessorar o chefe do poder executivo implantando um conjunto de mecanismos de liderança, estratégia e controle, postos em prática para avaliar, direcionar e monitorar a gestão, com vistas à condução de políticas públicas e à prestação de serviços de interesse da sociedade. Além disso, será nomeado um Conselho Técnico que avaliará e examinará a habilitação dos indicados a preencherem os cargos em comissão.

“Existe uma demanda crescente por serviços e ações em todas as áreas de atuação do serviço público municipal a qual é nosso dever atender da melhor forma possível, e com a melhoria estrutural que estamos propondo, incorporando um perfil mais gerencial e estratégico, e valorizando os servidores de carreira, a máquina ficará mais ajustada para dar resposta a estas demandas. Soma-se a esse conjunto de ações de valorização do servidor a potencialização da escola de gestão, que por meio de formações constantes, prepara o servidor para atender melhor”, pontuou o prefeito Fabrício Oliveira.

Além da reorganização administrativa, será protocolado outro projeto que autoriza extinção da COMPUR e o Fundo Municipal de Trânsito e cria a Autarquia Municipal de Trânsito – BC Trânsito. Com a implantação dessas medidas e a absorção de cargos, haverá uma economia de cerca de R$ 4,3 milhões ao ano.

Também consta na reforma administrativa a constituição da empresa pública BC Investimentos, cuja autorização se deu através da Lei nº 4.099/2018. A BC Investimentos atuará na área do desenvolvimento econômico e na gestão de parcerias público-privadas (PPP), na cidade.

Reforma administrativa no Ruth será num segundo momento

Num segundo momento, quando se concretizar a terceirização do Hospital Municipal Ruth Cardoso, mais 24 cargos serão extintos e não haverá necessidade da contratação se ACTs, proporcionando uma economia anual de mais R$ 2,4 milhões.