Por: Ricardo Gebeluca | 24/02/2021

A prévia da inflação oficial aponta para um avanço de 0,48% nos preços no mês de fevereiro. De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o resultado foi puxado pela alta de 3,34% no preço dos combustíveis.

Em janeiro, o índice registrou alta de 0,78%, maior resultado para o mês desde 2016. Com isso, agora o IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15) soma ganhos de 1,26% nos dois primeiros meses de 2021 e de 4,57% no acumulado dos últimos 12 meses.

Apesar de o resultado apresentar uma desaceleração em relação ao indicado nos meses anteriores, o resultado é o maior resultado para um mês de fevereiro desde 2017, quando o índice foi de 0,54%.

O maior impacto individual no índice do mês veio da gasolina (3,52%), cujos preços subiram pelo oitavo mês consecutivo. Também houve altas nos preços do óleo diesel (2,89%), do etanol (2,36%) e do gás veicular (0,61%). Os itens foram os principais responsáveis pelo aumento de 3,34% no preço dos combustíveis e de 1,11% dos transportes.

Também no setor de transportes, destacam-se as altas dos automóveis novos (1,12%) e usados (0,68%), bem como das motocicletas (1,41%). Por outro lado, tiveram quedas os preços dos transportes por aplicativo (-9,16%) e das passagens aéreas (-2,54%).

O grupo de alimentação e bebidas apresentou alta de 0,56%, resultado que corresponde a uma forte desaceleração em relação ao mês anterior (1,53%). Os alimentos para consumo no domicílio passaram de 1,73% em janeiro para 0,56% em fevereiro, influenciados pela queda nos preços da batata-inglesa (-5,44%), do leite longa vida (-1,79%), do óleo de soja (-1,73%) e do arroz (-0,96%). No lado das altas, o destaque foi a cebola (+19,17%).

A alimentação fora do domicílio também desacelerou, com avanço de 0,56% em fevereiro (ante 1,02% em janeiro). O lanche (1,2%) e a refeição (0,37%) tiveram variações menores que as do mês anterior, quando subiram 1,45% e 0,81%, respectivamente.

No campo da habitação, os preços recuaram 0,74% entre os períodos de coleta devido à queda nas tarifas de energia elétrica (-4,24%). No segmento, aparecem ainda entre os destaques o salto de 3,18% no preço do botijão de gás, do gás encanado (1,19%) e a taxa de água e esgoto (0,45%).

O IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) é conhecido como a prévia da inflação porque é calculado a partir da mesma cesta de bens e serviços analisada pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) e abrange as mesmas famílias com rendimentos de 1 a 40 salários mínimos. A única diferença entre os indicadores é o período de coleta, que ocorre entre os dias 16 do mês anterior ao 15 do mês de referência.