Por: redação | 18/09/2019

Enquanto na análise de 2018 pra cá o número de assassinatos caiu em quase todo o país, o número de pessoas mortas em decorrência de ações da polícia bateu recorde, tendo aumentado cerca de 20%.

Outro dado preocupante diz respeito aos estupros: mais de 66 mil casos de violência sexual foram contabilizados no Brasil em 2018, correspondendo a mais de 180 estupros por dia. Número é o mais alto desde 2009, quando houve a mudança na tipificação do crime de estupro no Código Penal brasileiro.

Entre as vítimas, 54% tinham até 13 anos e três quartos possuem algum vínculo ou ao menos conhecem o agressor. Segundo o relatório do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, apenas 7,5% das vítimas notificam a polícia no Brasil; nos Estados Unidos esse percentual varia entre 16% a 32%.

O aumento dos casos de estupro parece acompanhar uma tendência nos crimes contra mulheres, pois, a despeito da queda nos índices gerais de assassinatos, também houve crescimento de 5% no feminicídio (89% dos casos com o assassino sendo companheiro ou ex-companheiro da vítima) e 4% nas agressões domésticas.

Vale lembrar que, historicamente, os crimes contra mulheres costumam ter baixa notificação, já que as vítimas têm medo de retaliação do agressor, como também receio do julgamento e constrangimento público. Em outras palavras, não se sabe o real tamanho do problema.

Para a diretora-executiva do Fórum, entrosamento entre as instituições, com políticas de prevenção, proteção e repressão, além de uma maior visibilidade ao tema são os primeiros recursos para combater e mudar esse chocante cenário.