Por: Redação | 01/12/2020

Segundo o Índice de Confiança Social (ICS), levantamento realizado anualmente pelo Ibope Inteligência, a confiança do povo brasileiro no sistema de saúde chegou a seu patamar mais alto em doze anos, com crescimento de onze pontos entre julho de 2019 e setembro de 2020. A pesquisa ainda observa que confiança em nenhuma outra instituição brasileira teve aumento tão grande após a pandemia de Covid-19 quanto no sistema público de saúde, conforme publicado em primeira mão pela revista Piauí.

Segundo Márcia Cavallari, CEO do Ibope Inteligência, apesar dos problemas enfrentados pelo Governo Federal e Ministério da Saúde em relação à saúde pública, a melhora do SUS no ICS deve-se ao fato de que mais brasileiros tiveram contato com a estrutura e seu atendimento, ou seja, a confiança aumenta por experiência – quem usa confia mais do que quem não utiliza estes serviços.

Embora tenha sido o destaque no resultado do ICS, o sistema de saúde não foi o único serviço que teve melhora no apreço da população. As escolas públicas, por exemplo, cresceram quatro pontos após a pandemia, chegando ao índice do ICS mais alto da história: 70 pontos.

Nota-se também um aumento consistente da confiança dos brasileiros em instituições normalmente vistas com descrença, como o Congresso Nacional, partidos políticos, sistema eleitoral e outros. A diminuição do descrédito não significa que as instituições passaram a usufruir da confiança da maior parte dos brasileiros de um ano para o outro, mas mesmo que tímida, a melhora da imagem destas instituições já representa um aspecto favorável para o amadurecimento democrático.

O Corpo de Bombeiros segue no topo do ranking como instituição mais confiável do País, com 89 pontos (88 em 2019), seguido pela Polícia Federal, com 74 pontos (72 na edição do ano passado), como Igrejas (71 pontos em 2019 e 73 pontos neste ano) e as Forças Armadas, que neste ano obtiveram 72 pontos, um crescimento de 3 pontos em relação à pesquisa feita em 2019. O Congresso Nacional saiu de 34 pontos no ano passado para 36 pontos neste ano. Já os partidos políticos subiram de 27 para 30 pontos. Os meios de comunicação mantiveram a pontuação do ano anterior: 61 pontos.