Por: Redação | 01/09/2020

Uma das grandes preocupações dos pacientes durante a quimioterapia, utilizada em alguns casos de tratamento do câncer, é, sem dúvida, a perda de cabelo. O cabelo é considerado um dos pontos que mais mexem com a autoestima, principalmente a feminina.

Para minimizar a queda do cabelo, a Clínica Neoplasias Litoral de Itajaí oferece uma opção que auxilia na preservação dos fios — a touca hipotérmica. A touca ajuda a abaixar a temperatura do couro cabeludo durante a aplicação dos medicamentos nas sessões de quimioterapia. O acessório congela o folículo capilar para que a medicação não atue na região, preservando os fios.

“Quinze minutos antes do procedimento quimioterápico, umidificamos o cabelo com água gelada. Depois, colocamos a touca a uma temperatura de -20°C. Para a região permanecer gelada, é necessário trocar a touca a cada meia hora. O paciente ainda precisa ficar com ela por mais 15 minutos depois da sessão”, explica a enfermeira Mayra Clara Jatobá Zabel, que trabalha há dez anos na Clínica Neoplasias Litoral de Itajaí.

Relato de uma paciente

Michele Voloszin fez o uso da touca durante as seis sessões de quimioterapia para o tratamento do câncer de mama. Ela garante que conseguiu minimizar a queda de cabelo em aproximadamente 50%. A professora universitária afirma, ainda, que a touca térmica foi fundamental para manter a sua autoestima: “Eu sempre tive o cabelo comprido, então, meu maior receio era perder os meus cabelos, ficar careca. Eu passava bastante frio, mas nada que não seja suportável e que valha a pena para continuar linda e com os meus fios”.

Imagem cedida pela paciente Michele Voloszin durante o seu tratamento quimioterápico com a touca hipotérmica

Todo mundo pode usar?

Não. Ainda que a touca não tenha efeitos colaterais, ela não funciona em todos os casos. Sendo assim, a enfermeira Mayra, da Clínica Neoplasias Litoral de Itajaí explica que é preciso buscar indicação com o oncologista. “Tudo depende do remédio e da dose que será usada no tratamento para avaliar se a touca será eficaz ou não. No entanto, pacientes com câncer no couro cabeludo ou hematológico, como leucemia e linfático, também não são indicados”, fala.

Humanização no tratamento

O tratamento da pessoa com câncer deve incluir atenção especial ao ser humano e não apenas à sua doença. Na prática, essa humanização deve estimular a confiança em toda a equipe multidisciplinar de profissionais de Saúde — médicos, enfermeiros, psicólogos, nutricionistas e fisioterapeutas, entre outros —, buscando a empatia e respeitando os desejos e necessidades do paciente. A enfermeira Mayra utiliza outro dom, ao longo das sessões de quimioterapia, para acalentar os pacientes. Cantando para eles, ela acredita que cria um ambiente positivo, gerando, assim, um impacto importante nos desfechos da terapia adotada.

“O ser humano se sentir olhado como ser humano, com toda sua carência, com as suas limitações, faz com que tenha uma diferença na recuperação e todo o pós-tratamento”, finaliza Mayra Clara Jatobá Zabel.